Escolha ver a verdade

O UCEM mostra claramente que existem duas percepções distintas acontecendo juntas, aqui mesmo nessa vida.

Apenas uma delas é real. A outra é uma projeção mental, que encobre o real, causando a ilusão de realidade.

A realidade do ego, que existe através da projeção, parece real, mas não é.

Imagine como se a realidade do ego fosse um quarto escuro. Nesse quarto escuro você vê uma assustadora cobra no chão. Isso te mobiliza, dá medo e te coloca para lutar com a situação. Então, quando finalmente, já em pânico, consegue achar o interruptor e ascender a luz, percebe que era um rolo de corda e não uma cobra. A cobra nunca existiu. Era uma projeção, que encobriu a verdade do rolo de corda.

A projeção do ego encobre a verdade, como se fosse um véu, não sendo mais possível ver a verdade, mas sim só o véu.

Trazendo para a vida real, quando conversamos com alguém, não ouvimos a pessoa, mas sim o que interpretamos sobre o que a pessoa falou. Projeção.

Quando olhamos para alguém não vemos a pessoa, mas sim nossa opinião, que reflete nossos conceitos aprendidos no passado, projetados sobre aquela pessoa. Mais projeção.

Deixamos o Real passar despercebido, enquanto prestamos atenção na projeção.

Já a verdadeira realidade chamada de O Reino, está em tudo, embaixo do véu, esperando você notá-la. Ela é Una, divina e perfeita.

Só que não é possível ver dois mundos.

Ou você percebe o mundo projetivo do ego, ou percebe o mundo divino do Reino.

A escolha está no que você procura. Por exemplo, se você procurar os defeitos em alguém, vai achar um monte. Por outro lado se procurar a divindade na mesma pessoa, também vai achar.

A escolha é sempre sua. A jornada é compreender cada vez mais como escolher o que procurar, a verdade ou a ilusão.

“O que tu queres? A luz ou as trevas? O conhecimento ou a ignorância? O que quiseres é teu, mas não ambos. Os opostos têm que ser reunidos, não mantidos à parte. Pois a sua separação só existe em tua mente e eles são reconciliados pela união, assim como tu. Na união, tudo o que não é real tem que desaparecer, pois a verdade é união. Assim como as trevas desaparecem na luz, também a ignorância se apaga quando desponta o conhecimento. A percepção é o meio pelo qual a ignorância é trazida ao conhecimento. No entanto, é preciso que não haja engano na percepção, pois de outra forma ela vem a ser o mensageiro da ignorância ao invés de ser uma ajuda na procura da verdade.”
T-14.VII.1

>