O senso de separação de Deus é a única falta que realmente precisas corrigir

O Senso De Separacao De Deus E A Unica Falta Que Realmente Precisas Corrigir

O senso de separação não existe originalmente.

Um bebê começa a vida unido a mãe. Quando sai do ventre, leva vários meses para começar a perceber a si mesmo. E somente nesse momento ele começa a entender que é aquele nome que tanto falam perto dele. “Ah, eu sou o João”.

Antes desse momento, o bebê não se percebe separado, mas conforme cresce, o ego vai se formando e implantando a separação.

Conforme vai se desenvolvendo, tudo leva a criança a acreditar que é um corpo separado de tudo e todos. Ela naturalmente começa acreditar que é, por exemplo, o João (e não mais o espírito magnífico que anima o corpo do João).

Ela vive com adultos que acreditam na mesma coisa. Vai a escolas que ensinam a mesma coisa.

O Curso em Milagres mostra que durante esse processo a criança distorce a verdade espiritual e constrói a percepção de que lhe falta algo.

Se algo lhe falta, outros tem e ela não. Se outros tem e ela não, então ela pode falhar e nunca conseguir, começando assim o medo.

Quando viramos adultos, a ideia da separação já está tão implantada em nossa mente, que fica muito difícil sequer imaginar diferente.

A realidade que percebemos é muito bem estabelecida.

Mas o que seria diferente disso?

Convido você a imaginar comigo.

Quando você está sonhando, apesar de existirem outras pessoas, todas são você. Elas existem dentro do seu sonho, portanto dentro de você, mesmo que pareçam separadas durante o sonho.

Aí quando você acorda e percebe que estava sonhando, entende que todos estavam dentro de você. Todos eram você porque você é o Ser que estava sonhando com todas elas.

Agora imagine que está se vendo acima dos seus ombros, como se estivesse olhando a sua vida de uma dimensão espiritual, “acima” da nossa realidade, causando o efeito de observar a si como se observa nos sonhos.

Imagine agora olhar para outra pessoa e apesar de saber que existe um outro ser ali, você também percebe que algo une você e a outra pessoa, afinal ambos estão dentro do mesmo sonho, sonhado pelo Filho de Deus.

Nesse nível superior você é o Filho de Deus, um com Deus e um com todas as pessoas.

Quando você se torna capaz de se conectar novamente com o nível espiritual superior, também entende que todas as pessoas são você, mesmo compreendendo que elas parecem separadas quando vistas deste nível físico.

A consciência é como se fosse o Zoom de uma câmera. Se você aproximar o Zoom para ver as pessoas, verá todos separados. Mas se você expandir a consciência para a imensidão espiritual, afastando o Zoom para ver o cena maior, então verá tudo como uma coisa só.

Todos somos Um. O Filho de Deus. Uma mente coletiva, separada pelo que parece ser vários egos.

Tanto o Curso, quanto outras filosofias de igual profundidade espiritual dizem que o problema da humanidade é o senso de separação, que na verdade é uma ilusão.

Sem o senso de separação, não haveria o peso da dualidade. Sem o peso da dualidade não haveria algo melhor ou algo pior. Tudo seria igual no amor.

E o Curso diz que esse senso de separação implantado pelo ego é desfeito quando você unir sua mente novamente com Deus.

Se você seguir o caminho do autoconhecimento espiritual vai naturalmente encontrar a sua centelha divina, a existência do Filho de Deus, que é a conexão com Deus.

Ou seja, se você ir em direção a sua luz espiritual, que existe dentro de si, naturalmente vai ofuscar o ego e começar a perceber a si como parte de Deus.

E já que todos são partes de Deus com você, então a ilusão da separação vai sumindo junto e com ela o medo, a escassez e os sofrimentos, que são fruto da separação.

Deus é como o “oceano” e nós como “gotas de água”, iguais ao oceano, mas separadas por egos, como se fossem “garrafas fechadas” boiando no oceano. Livre-se da tampa de deixe a água entrar.

“O senso de separação de Deus é a única falta que realmente precisas corrigir”. Um Curso em Milagres T-1.VI.2:1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *