Sempre que dois Filhos de Deus se encontram, lhes é dada mais uma chance de salvação

Todos somos Um. Então, quando olhamos para outra pessoa, estamos olhando também para nós mesmos.

Como?

Tudo o que você vê, ouve ou sente, passa pela sua interpretação antes que você entenda o que está vendo, ouvindo ou sentindo.

Assim, é como se você criasse uma versão só sua daquela pessoa quando a interpreta.

A forma como você a interpreta é diferente da forma como os outros a interpretam, mesmo sendo a mesma pessoa.

Por isso que é dito que criamos tudo o que está na nossa frente. É sob a nossa interpretação que vemos o mundo.

A pessoa existe de fato, mas a versão dela, interpretada por você, é só sua. Uma projeção sua, criada por você.

Então, quando você está olhando para outra pessoa, é como se você estivesse olhando para você mesmo, afinal a interpretação que criou aquela versão da pessoa veio de dentro de você.

Ou seja, é preciso perceber que quando estamos olhando para o outro, estamos olhando para nós mesmos também.

E aqui vem a oportunidade.

O UCEM mostra que podemos encontrar no outro a nossa santidade. Ao buscar ver no outro o Filho de Deus, estamos lembrando do Filho de Deus em nós.

Faça o teste. Quando encontrar com alguém, você terá a oportunidade de ver o Filho de Deus no outro. Isso fará com que você desperte o Filho de Deus em si e no outro, levando ambos para a unicidade santa.

Afinal, se você ver o outro como santo de verdade, também ajudará o outro a se ver como santo e naturalmente te ver como santo.

E quando todos são santos, todos são iguais na santidade e pode-se experienciar o “Todos Somos Um”, junto com o outro.

“Sempre que dois Filhos de Deus se encontram, lhes é dada mais uma chance de salvação.” UCEM T-8.III.4:6

>