A diferença entre o ego e o Eu Real

O Que Acontece Na Autorrealizacao Do Eu Real

Certa vez um mestre olhou para um de seus discípulos mais antigos e gritou:

“Quem é você?”

Sobressaltado e confuso, o discípulo achou que o mestre tinha surtado e esquecido quem ele era. Então respondeu:

“E-eu sou o Michael”.

Então o mestre parecendo voltar ao normal disse:

Deixe-me explicar usando sua resposta: “O EU SOU é a realidade. O EU SOU O MICHAEL é o ego”. 

Conta a história, que quando Michael entendeu, autorrealizou seu Eu Real.

Mas, como assim?

Quando um bebê nasce, ele simplesmente é. 

Existência pura, sem ego. O bebe nem sequer sabe seu nome e suas características. 

Inclusive não faltam psicólogos mostrando que o bebe não percebe a separação da mãe. Ao nascer, para ele, ainda é tudo uma coisa só. Completamente fundido com a mãe. 

Essa existência pura e unificada que pode ser observada nos bebês, é o que chamam de Self, Atman ou Eu Real. 

Mas os meses passam e o bebe começa a desenvolver o intelecto e junto aparece o ego.

Com a formação do ego, a pessoa que simplesmente era, começa a se identificar com um nome, depois com todas as características que vai reconhecendo e as crenças que vai aprendendo.

O “Eu sou o que eu sou” na citação acima se refere a isso. A pureza em todos nós, antes do ego.

E essa pureza divína é acessível a todos, sendo a dissolução de todos os sofrimentos. Basta saber como olhar para dentro de si, para encontrá-la.

Esse movimento de percepção de olhar para dentro de si para encontrar seu Eu Real e viver sob a perspectiva de sua centelha divina é o que se chama Autorrealização.

A pessoa não deixa de ser quem ela é, mas se percebe como algo maior. Uma coisa unificada com a mente cósmica, com o “Eu sou o que eu sou”, com o Eu Real, Atman, Sat-Chit-Ananda ou qualquer outro nome que isso tenha recebido ao longo da história da humanidade .

Ou seja, utilizando o exemplo acima, o Michael não deixou de ser o Michael, mas sim percebeu que é algo maior, que simplesmente é, sem precisar do ego para ser.

A autorrealização do Eu Real também não significa o fim do ego. O Michael não deixou de saber que ele continuava sendo o Michael. Não deixou de sair com a família para comer pizza ou largou seu trabalho. Mas sim percebeu que seus limites não estão na vestimenta conceitual do ego, mas sim no todo. E provavelmente tocou Deus.

E esse é o significado do “Eu sou o que eu sou”. Você simplesmente é. 

Comente ou tire suas dúvidas abaixo.

>